gomos de laranja fresca

eu estava um pouco afastado mas conseguia ouvi-lo
ele olhava-a e falava-lhe nos olhos
e os olhos dela eram grandes e sugavam-no por inteiro
ele dizia

teus lábios são como gomos de laranja fresca e eu passaria uma tarde inteira de sol sorvendo essa carne frutada
teu colo é um barco balançando no cais puro das madrugadas e meu corpo entregar-se-ia a esse doce embalar
o meu amor por ti nasceu antes de mim e para lá de mim

ela sorria como quem sorri ao ler versos numa viagem de comboio

eu estava afastado e ouvia
terminei a minha cerveja já morna e saí para a rua onde chovia 

dos lumes

existem incêndios que num clarão se consomem
outros que em lumes brandos teimam
como aquele pôr-do-sol que se alonga no ocaso dos dias outonais 

cada chama no seu ritmo
ondulando ao sabor dos ventos secretos das madrugadas
as fagulhas como eternidades condensadas de loucura
faíscas falhadas que esmorecem em fumo mas sem pavio
órfãs de origem
instantâneas como o amor à primeira vista 

li

li poemas sobre as grandes planícies
onde os nobres equídeos do oeste eram desenhados a galope de relâmpagos
onde a solidão era tão imensa que a chuva nem chegava a encontrar chão

li versos sobre as ondas perdidas dos oceanos
tão afastadas de tudo que sem praia onde rebentar não se desfaziam nunca
onde o sonho era tão profundo que quando acordava ainda a noite me naufragava

li palavras sobre os desertos de areia de há mil anos
onde por únicos nómadas grãos de areia se amontoavam em dunas e pirâmides e miragens
onde o sol queimava a pele por dentro e a sede era tal que por uma lágrima que fosse um homem venderia a alma

trémulo instante

amanhece sempre cedo demais
e as madrugadas expiram quando finalmente são a nossa casa

o êxodo dos animais noctívagos
expatriados da noite lançados às auroras inevitáveis da vida
e como vampiros padecem aos primeiros raios de sol, esfumando-se em vultos das rotinas, de volta aos grilhões da existência 

só os luares mais negros lhes devolvem liberdade

eles sabem que há que olhar o mar como quem olha um poço 
e perder-se nessa queda, despenhar-se na vertigem de um assombro 

como no amor
como na desilusão
como na esperança amarga de um escape

existe algures um lugar onde a noite se prolonga até ao infinito 
onde as promessas são promessas para sempre

onde distância entre os lábios não se altera, ficando ali no trémulo instante entre o beijo e sua intenção

passado

não se agarra uma emoção
ela é água

e semear solidões pacientemente
é uma arte que se perde em passado

e é sabido que num passado não se toca
ele é igual àquelas estátuas de sal e de areia que a lava de um vulcão calcinou e esculpiu
ao mínimo toque em poeira e cinza se desfaz

um passado é uma onda
rebenta e desaparece sozinho

il s'en va tout seul 

dia vazio


deixou passar o dia
nidificou-se no sofá com o deslizar das horas nas brisas silenciosas da preguiça
criou raízes profundas e os olhos em periscópio seguiam a luz fatiada pela persiana numa dança perfeita com as poeiras do tempo que somente cronos sabe coreografar
despertou de noite, desenraizou-se e levou o corpo para uma madruga densa de breu e nevoeiro
saciou a fome de uma ressaca e de um dia vazio
vasculhou esquinas e beijou os lábios da aurora aveludada
ao regressar a casa, sobre o mesmo sofá, os contornos exatos da silhueta que fora momentos antes, breve fóssil de um dia já passado e vencido e irrecuperável

a cova


dedicado ao João, Mário, Miguel e André
companheiros de viagem
inspirado numa obra do artista chinês Wang Gongxin exposta no Guggenheim em Bilbao

começou a cavar um buraco, toda a obra de uma vida. cavou até ao impossível. pazada a pazada cada vez mais profundo. tão profundo até o profundo deixar de ser fundo e ser o seu revés. procurou o sonho louco de, no fim da empreitada, encontrar o céu dos antípodas. imaginou o último punhado de terra a revelar o azul celeste do outro hemisfério. conseguiria olhar o céu olhando o chão. cavou como quem cava a sua própria sepultura para que o seu enterro fosse uma queda invertida, uma ascensão pelo solo.
era um poeta.
só a poesia vence a lei da gravidade.

escrever na areia

Escrever na areia e esperar que uma onda leve os versos de novo ao silêncio profundo do mar. Revelar palavras para as calar e serem elas a essência da quietude. Segredos que se murmuram uma vez e que a espuma das vagas cobre com seu manto salgado.
Nas profundezas dos oceanos, jaz uma biblioteca muda e cega, onde náufragos folheiam as proas dos livros e se remetem a uma leitura eterna de sereias, corais e leves poeiras do que submergiu.
O que se escreve na areia é uma tatuagem ao revés, do avesso, e, ao contrário do que se pensa, no corpo do mundo, ela perpetua-se na pele interior de todas as coisas. Uma autópsia do universo comprovaria isso mesmo. Toda a história do que nunca aconteceu está impressa no dentro do dentro.

madrugada

mil marés depois reencontro uma madrugada e o lento nascer do sol
as brisas da manhã a varrerem um resto de noite e a clarear o olhar

é a hora em que todos dormem ainda no ontem e por breves sílabas o tempo estagna antes de engrenar de novo
um verso em suspenso na corda do horizonte
tremendo perante o corte da aurora em sóis de um orvalho ainda há pouco lunar
não há hoje ainda, existe apenas a esperança de um alento

não é momento de paz nem de assombro
é o absoluto
o derradeiro sopro divino de todas as coisas
a combustão de um cosmos por decifrar
a possibilidade de todas as coisas e de coisa alguma

mil marés depois
a praia ainda colhe as ondas sem hesitar
e há segredos tão bem guardados que ninguém os sabe nem ninguém os soube
os silêncios são tranças e rugas e pele

campos imensos

Vi multidões de poetas a atravessar campos imensos. Iam carregados de inaudíveis silêncios com seus escritos nas mãos. Coisas que ninguém leu e que ninguém ouviu. Eram profetas a cumprir um destino devido. Uma turba de escribas em desalento, descrentes do passado e do próprio talento, iam de olhar denso e cerrado. Caminhavam como que levantados por ventos e tempestades, caminhavam sem parar por esses campos imensos.

do inominável

as palavras aladas são as mais fáceis
as que planam e têm asas e sobre a alma espiam sem lhe tocar

as palavras chãs é que são difíceis
as que chafurdam no mais baixo de nós com as hesitações e os infinitos desalentos que não acabam nunca
com as perdas irremediáveis dos futuros por cumprir
essas são as que não nos escapam e que, no entanto, não são nossas - mesmo se nos tatuam os poros da pele.

a voz que dita no escuro antes de adormecermos, esse turbilhão que nasce num lugar desconhecido e nos arrebata o espírito
ou quando nos deitamos na toalha da praia após um mergulho e não é apenas sol e sal que nos abraça mas também uma qualquer coisa de invisível, de inominável

atravesso silêncios novos de ausência

atravesso silêncios novos de ausência
pensava que os conhecia a todos
mas no jardim das infinitas campas de versos apagados
há sempre mais um segredo que se revela

jazem as palavras que enterrei nos atos indesculpáveis da vaidade
e nos arrependimentos literários que me acometem
são incontáveis as palavras que apaguei e que traí
como também são indizíveis as razões desses crimes e dessas traições
a indignidade de não se dizer uma verdade prevalece perante as ondas do esquecimento

atear ruídos é uma atividade de pirómano lírico
que perante as eternas florestas de poesia
sonha em ver um grande incêndio cujas labaredas engolem nada
para no fim restar somente uma chuva de cinza de poeira e de solidão

sei agora que os regressos são obras inacabadas de toda uma vida
e que o tempo é o mar que nos banha em silêncio

sobram nós górdios por todo o descampado da minha existência
e a espada que empunho tem o peso todo do passado e ferrugem semeada pelo milenar sal do mar

nunca és tu que escolhes

a tua obsessão com pequenos desertos de papel por desbravar e uma sede imensa de silêncio a percorrer-te as mãos

ofegante, lanças-te em direção a um horizonte trémulo e esvais-te em suores lunares feitos de uma noite coada pelo lento correr das horas

a inquietação constante a murmurar nas esquinas
como o sopro subtil da criação
um murmúrio ditado numa língua desconhecida mas que faz sentido

eis-te, então, perante um dilema
rendes-te ou lutas?

por vezes rendes-te
por vezes lutas

mas de todas as vezes nunca és tu que escolhes

havia um jardim

sobre o amor ouvi contar uma história

que havia um jardim e o suave despertar de perfumes florais
que as manhãs se alongavam em luz e que num banco coberto por sombras
os amantes se encontravam

e era só isto
que quem seriam e o que se diziam nada se sabia

pouco importa
porque do amor já tudo se sabe
já tudo se disse
e já tudo se errou e tudo se acertou

do amor já tudo se culpou
e já tudo se perdoou

só os cenários mudam

e nesta história havia um jardim, um perfume e um banco onde eles se encontravam

Pequena trilogia do nada

1

Nada melhor do que uma trilogia para o regresso do silêncio. O sono profundo a que te dedicaste ultimamente tem vencido, dia a dia, a tua apatia perante as palavras. Continuas dedicado ao adiamento de ti. Esse marasmo que conheces desde os inícios, esse morno tédio do escoar do tempo que se adensa como um nevoeiro que não se esfuma nunca.

2

No entanto, tudo o que não escreves vai-se acumulando nos lugares secretos do universo. Textos órfãos do indizível. Pernoitam lado a lado com todas as promessas não cumpridas. É sabido que uma promessa que não é cumprida é o primeiro passo para a loucura. Quantos não sucumbiram face aos pactos quebrados com a derradeira honra de cumprir com a palavra dada? Não sei se um poema perdido não será também o princípio de uma queda. Talvez seja impossível vencer o combate contra o esquecimento. Mas, por outro lado, o que importa, se calhar, é, tão somente, o combate em si e o gesto definitivo de se tatuar versos no dorso da quietude. Confrontar esse sangue com o nosso sangue, pensar as feridas e as cicatrizes como testemunhos que ecoam para todo o sempre, qual vestígio de lendas. Isso, saber fabricar um rumor, um suspiro que de ser tão ténue, consegue escapar aos cataclismos incomensuráveis da eternidade.

3

Nada.

o náufrago

do que vi relembro luares surgirem e luares enevoarem
o sol nascer e o sol a pôr-se
e assim
talvez tudo tenha visto

sei que me sujeito ao comando das insónias e do sono e do amor
que na cama
qual náufrago
procuro sempre terra
que me contento com um toque suave de quente humanidade para me guiar nos sonhos
e que nas noites em que me falta
à deriva fico até o dia se cansar de acordar e comigo dado à costa qual tronco de figueira milenar
abandonado na praia deserta

mais vezes deveria ter eu aberto a janela de frente para o mar
como quem abre a alma inundada de luz
para que um vento de norte sussurrasse os segredos que me faltam e enfim soubesse de que é feito o silêncio

da intransigência

não serei outro que não eu nas derradeiras coisas desta vida
sou intransigente face a isso
um sacrifício não pode ser imaginado sobre uma mentira
isso é fácil e cruel

não serei cruel
falta-me essa vocação, esse talento, essa artimanha

sou talvez fraco de espírito nas coisas mundanas
talvez ceda ao egoísmo do imediato e me perca na sombra do que penso de mim
mas renuncio a qualquer compromisso com a ilusão do que foi forjado pela verdade e pela entrega e pelos erros e pelos falhanços e pelos sucessos e por tudo aquilo que faz uma existência

aceito o silêncio que me aceita
em paz e em comunhão
mas jamais calarei
por tratado ou convenção
por pacto com qualquer demónio de coisas vis
a vontade de um afago ou gesto de bondade inocente

não sei


não sei que perfume esvoaça desses versos  que me tatuas no corpo
não sei que dança se curva sobre mim pelos teus gestos silenciosos no escuro do quarto
não sei que língua fala a tua língua na minha boca húmida
não sei que passado foi o meu sem essa ignorância nova

não sei o que não sei
e tudo isso me chega
tudo isso me sacia insaciavelmente

serás a contradição que me faltava
o enigma que me era destinado
e a interrogação que nunca se revelara

com isso, és, no fundo, uma divindade sem quereres, pois da tua costela imaginária moldaste-me à imagem de mim
criaste-me um outro eu, feito de suor e de carne e de beijos e de entrega

resta-me descobrir-me, desnudar-me

esperar para não saber de vez

indizível

existe um silêncio alienado nos corredores dos hotéis
uma penumbra de silhuetas difusas que me falam nos entretantos

o que dizem ainda não entendo bem
mas todas as histórias que valem a pena começam no indizível

sem tudo


das coisas que temos
e das coisas que nos têm
do que escolhemos
e do que nos escolhe a nós

ficamos com nada
ficamos somente
sem tudo